Componente de 2.º ciclo do Mestrado Integrado em Engenharia Química e Bioquímica

Ensino

Componente de 2.º ciclo do Mestrado Integrado em Engenharia Química e Bioquímica

Entrou em funcionamento no ano letivo de 2006-2007. O número mínimo de créditos para a obtenção do grau é de 120 (2 anos).

Objetivos

A componente de 2.º ciclo do Mestrado Integrado em Engenharia Química e Bioquímica forma Engenheiros Químicos/Engenheiros Bioquímicos vocacionados para as áreas de inovação mais recentes neste domínio: Tecnologias Sustentáveis, Química Verde e Biotecnologia.

Os estudantes serão acolhidos no centro de excelência em Química Verde num ambiente de elevada qualificação científica, com reconhecimento internacional. O IBET, a maior plataforma portuguesa de colaboração universidade/indústria na área da Biotecnologia, será também um parceiro associado ao Mestrado.

Nos dois anos os alunos complementam, aprofundam e integram as competências anteriormente desenvolvidas. O leque de opções possibilita a obtenção de uma formação complementar em áreas de bioprocessos, ambiente, materiais e gestão industrial.

No último semestre os alunos realizam um estágio profissional em empresas do sector ou um trabalho científico original em centros de I&D, nacionais ou europeus (SÓCRATES/ERASMUS) conducente à dissertação de mestrado.

Plano curricular (considerar só os 4.º e 5.º anos)

Saídas profissionais

O Mestrado Integrado em Engenharia Química e Bioquímica forma engenheiros com um perfil de nível internacional numa área em que a Europa é potência dominante – a Química é o único sector industrial europeu que supera o americano e o japonês.

A Indústria Química assegura 6% do volume de emprego europeu e os produtos desta indústria fazem parte da vida quotidiana. Por outro lado, a biotecnologia moderna é um sector industrial em acelerada expansão. O futuro destas indústrias está baseado na inovação e qualificação dos recursos humanos.

A principal preocupação destas indústrias é a previsível falta de engenheiros altamente qualificados, num futuro próximo. Os Engenheiros Químicos / Engenheiros Bioquímicos da FCT encontrarão um mercado de trabalho europeu muito receptivo às suas qualificações.

A versatilidade de formação de Engenheiro Bioquímico, adicionada à tradicional de Engenharia Química, já por si extremamente flexível, proporcionará aos novos engenheiros saídas profissionais em variados sectores tanto industriais como de serviços, e abrangendo áreas desde investigação e desenvolvimento tecnológico, o projecto industrial e a produção até ao controlo de qualidade, regulamentação ambiental, a gestão e serviços comerciais.

Horário de funcionamento:

Diurno

Propinas:

Estudantes nacionais: 1063,47 €/anual

Estudantes internacionais: 7000 €/anual (Redução de 60% para estudantes da CPLP)

Prazo de candidatura:

1ª fase: 6 de março a 23 de junho
2ª fase: 26 a 31 de agosto

Candidaturas

Condições de acesso para o ano letivo de 2017/2018

Vagas para 2017/2018 :

10

Regras de acesso:

  1. Titulares do grau de licenciado ou equivalente legal em Ciências de Engenharia Química, Engenharia Biológica ou afins;

  2. Titulares de um grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1.º ciclo de estudos organizado, naquelas áreas, de acordo com os princípios do Processo de Bolonha por um Estado aderente a este Processo;

  3. Titulares de um grau académico superior estrangeiro, naquelas áreas, que seja reconhecido como satisfazendo os objectivos do grau de licenciado pelo Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia;

  4. Detentores de um currículo escolar, científico ou profissional, que seja reconhecido como atestando capacidade para realização deste ciclo de estudos pelo Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia.

Critérios de seriação:

  1. Classificação do curso;
  2. Currículo académico e científico;
  3. Currículo profissional;
  4. Eventual entrevista.

Coordenadora do curso:

Professora Ascensão Reis

mieqbq.coordenador@fct.unl.pt

Sobre o Departamento de Química

O Departamento de Química (DQ) constitui uma unidade de ensino e de investigação da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Nova de Lisboa (UNL), vocacionada para a qualidade do ensino, o progresso da investigação e a prestação de serviços especializados à comunidade nas áreas fundamentais da Química, Engenharia Química e Bioquímica e Biofísica. O DQ, criado em 1981, tem reconhecida implementação no mercado de ensino e de trabalho, em particular devido à então novidade e especificidade introduzida pela Licenciatura em Química Aplicada, com o qual se iniciou o ensino da Química na Faculdade.

Saber mais