Mestrado em Paleontologia

Ensino

Mestrado em Paleontologia

(em Associação com a Universidade de Évora)

Entrou em funcionamento no ano letivo de 2012/2013. O número mínimo de créditos para a obtenção do grau é de 120 (2 anos).

Este curso só funcionará se tiver 10 ou mais inscrições confirmadas, conforme decisão do Conselho Executivo da FCT NOVA.

Objetivos

No sentido de aproveitar conhecimentos, valências e instalações laboratoriais, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT NOVA) e a Universidade de Évora juntaram-se para propor um 2º ciclo de Paleontologia.

Este 2º ciclo de estudos está concebido para ser aberto a um público com formação de base diversa, permitindo atrair estudantes de várias áreas do saber. Destacamos os que finalizarem o 1º ciclo de estudos nas áreas da, biologia, geologia, arqueologia e outras. Está também gizado para atrair docentes dos Ensinos Básico e Secundário que, tendo terminado a sua formação no sistema pré Bolonha, queiram agora actualizar os seus conhecimentos e aperfeiçoar competências na área da Paleontologia.

O objectivo geral do ciclo de estudos é formar alunos pós-graduados sobre as questões actuais da evolução da Terra e da Vida. O mestrado promoverá um conjunto de ensinamentos coeso,com valor de empregabilidade e que actue como protecção e valorização sócio-económica do património paleontológico. Este mestrado preenche uma lacuna, em termos de oferta nacional nesta área de formação.

São objectivos do curso de mestrado em Paleontologia: 

a) Aprofundar a formação na área da Paleontologia, a fim de adquirir bases sustentáveis para transmissão de conhecimentos relacionados com esta área científica.

b) Adquirir formação científica e técnica no domínio da Paleontologia, permitindo compreender e resolver novos paradigmas em contextos multidisciplinares, nomeadamente para um melhor e mais consciente desempenho de atividades técnicas de classificação e gestão do meio natural, particularmente do Paleontológico, da responsabilidade de entidades públicas (Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, e autarquias).

c) Desenvolver capacidades de integração de conhecimentos em situações complexas de âmbito geológico.

d) Desenvolver uma visão crítica sobre o registo fóssil e sua importância para a compreensão dos processos evolutivos.

e) Analisar e discutir os aspectos biológicos dos organismos do passado.

f) Discutir e aplicar teorias, paradigmas e conceitos a fim de obter uma visão global e adequada da História da Terra e da Vida.

g) Adquirir competências e autonomia para a formulação de propostas de projetos científicos a submeter, especialmente, a programas nacionais da responsabilidade da administração central e regional, num país com uma riqueza paleontológica ainda, em boa parte, por explorar.

h) Ganhar competências que permitam continuar a desenvolver e a adquirir formação ao longo da vida nas áreas disciplinares e afins da Paleontologia, com elevado grau de autonomia, nomeadamente a progressão para um 3º ciclo de estudos.

Plano curricular

Saídas profissionais

  • Autarquias e Associações de Municípios 
  • Áreas Protegidas 
  • Geoparqes,
  • Departamentos governamentais 
  • Museus 
  • Investigação
  • Profissão liberal
  • Empresas do sector Energético (Petróleo, Gás Natural e Carvão) 
  • Mestrado reconhecido pelo Ministério da Educação para efeitos da aplicação do Artigo 54º do Estatuto da Carreira Docente (DL nº 270/2009 de 30 de Setembro), regulamentado pela portaria nº 344/2008 de 30 de Abril, aos grupos de recrutamento 230 e 520 do 2º ciclo e 3º ciclo de Ensino Básico.

CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS ESTUDANTES

Na aprendizagem, a tónica é posta na elaboração e apresentação de relatórios técnico-científicos e na capacidade de discussão crítica com sólida argumentação. A consolidação de competências no âmbito da pesquisa bibliográfica, escrita cientifíca e o desenvolvimento da comunicação oral são também estimuladas. Há que fornecer competências e qualificações práticas, bem como formação mais aprofundada aos actuais licenciados em Biologia e em Geologia e a um leque alargado de interessados, bem como proporcionar aos docentes do ensino básico e secundário mais adequada preparação para o desempenho da sua actividade. 

O 2º ciclo de Paleontologia inclui 8 disciplinas obrigatórias e 2 disciplinas optativas (total de 60 ECTS), no primeiro ano lectivo. No segundo ano terá lugar a dissertação aplicando os conhecimentos adquiridos a um caso de estudo. Todas as unidades curriculares terão uma tónica aplicada. Parte das horas de contacto terá lugar no campo ou no laboratório, valorizando e desenvolvendo competências, previligiando a aprendizagem da autonomia como auto desenvolvimento. 

Folheto

Horário de funcionamento:

Diurno. Prevê-se que um semestre funcione nas instalações da UE e o outro semestre seja leccionado nas instalações da FCT-UNL.

Propinas:

Estudantes nacionais: 1.063,47€

Estudantes internacionais: 1.063,47€

Prazo de candidatura:

1.ª fase: 1 de maio a 30 de junho

2.ª fase: 8 a 25 de agosto (vagas sobrantes)

​3.ª ​fase: ​2 de janeiro ​a 17 de fevereiro

Candidaturas

Condições de acesso para o ano letivo de 2016/2017

Vagas para 2016/2017 :

20

Regras de acesso:

  1. Candidatos titulares do grau de licenciado, ou equivalente legal de cursos de Biologia, Geologia, Ciências e Engenharia do Ambiente, Engenharia Geológica, Arqueologia, Geografia, Ensino de Biologia e Geologia ou outras áreas afins; 
  2. Titulares de um grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1º ciclo de estudos organizado de acordo com os princípios do Processo de Bolonha por um Estado aderente a este Processo; 
  3. Titulares de um grau académico superior estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objetivos do grau licenciado pelo Conselho Científico da Escola de Ciências e Tecnologia (ECT) da Universidade de Évora (UE) ou pelo Conselho Científico do Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT/UNL); 
  4. Detentores de um currículo escolar, científico ou profissional, que seja reconhecido como atestando capacidade para realização deste ciclo de estudos pelo Conselho Científico da ECT da UE ou pelo Conselho Científico da FCT/UNL.

Critérios de seriação:

 - Habilitações literárias: 60%
  • Classificação das habilitações: 75%
  • Nível de habilitações: 15%
  • Área das habilitações: 10%
  - Análise curricular: 40%
  • Experiência em atividades de investigação: 10%
  • Comunicações em Congressos e afins: 10%
  • Publicações em revistas científicas: 20%
  • Experiência profissional na área do Curso: 50%
A Comissão de Curso poderá recorrer a entrevista, se entender necessário.

Coordenador do curso:

Professor Paulo Alexandre Legoinha

mp.coordenador@fct.unl.pt

Registo e Acreditação

DGES

Registo n.º R/A-Cr 46/2012 em 12/06/2012

A3ES

Acreditação prévia em 14/05/2012, por 6 anos

Sobre o Departamento de Ciências da Terra

Departamento de Ciências da Terra (DCT) da FCT NOVA, cujo regulamento foi recentemente revisto (DR 99, 2º série de 23 de Maio de 2011), constitui unidade  de ensino graduado e pós-graduado e de investigação, nos domínios da Ciência e Engenharia Geológica e nos destes afins ou interdisciplinares. Cabe-lhe, promover o desenvolvimento científico e tecnológico, a prestação de serviços, actividades de extensão universitária, e desenvolvimento de actividades de divulgação.

Saber mais