Faculdade

Notícias

Paleontólogos da NOVA anunciam nova espécie de anfíbio gigante

17-05-2017

Paleontólogos da NOVA anunciam nova espécie de anfíbio gigante

Uma nova espécie de anfíbio, com 208 milhões de anos, o maior descoberto até à data na Gronelândia, foi hoje anunciada por uma equipa internacional que integra os paleontólogos da Universidade Nova de Lisboa Octávio Mateus e Marco Marzola. Os paleontólogos da Universidade Nova de Lisboa baptizaram-no com o nome Cyclotosaurus naraserluki, um fóssil de anfíbio gigante com cerca de 2,5 metros, que viveu há cerca de 208 milhões de anos e semelhante ao fóssil de uma espécie previamente descrita no Algarve.

O primeiro autor do estudo foi Marco Marzola, doutorando na Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL, Portugal) e à Universidade de Copenhaga (IGN-KU, Dinamarca) e colaborador do Museu da Lourinhã e GeoCenter Møns Klint (Dinamarca). O estudo contou ainda com a participação do Prof. Octávio Mateus (FCT NOVA / Museu da Lourinhã), do Prof. Neil H. Shubin (Universidade de Chicago) e Prof Lars B. Clemmensen (IGN-KU). O estudo está agora publicado na prestigiada revista científica Journal of Vertebrate Paleontology e o material estudado está em exposição na Dinamarca, no GeoCenter Møns Klint, juntamente com outros fósseis de vertebrados únicos da Gronelândia.

A nova espécie Cyclotosaurus naraserluki viveu nos lagos do leste da Gronelândia durante o Triásico, há 208 milhões de anos atrás, no início da evolução dos dinossauros, foi descrita por uma equipa internacional de paleontólogos liderada pela Universidade Nova de Lisboa. O novo anfíbio, representado por um crânio completo e duas vértebras, foi descoberto no início dos anos 90 durante as expedições lideradas pelo falecido Prof. Farish A. Jenkins Jr. (1940-2012) da Universidade de Harvard e permanecem sem ser estudado até agora. Este fóssil vem de rochas do Triásico da Formação Fleming  Fjord, em Jameson Land, no leste da Gronelândia.

 

 

Cyclotosaurus naraserluki tem um crânio triangular e plano de 57 cm de comprimento e 42 cm de largura, permitindo que os paleontólogos estimem um comprimento total do corpo de cerca de 2,5 metros. Os Cyclotosaurus são os anfíbios temnospôndilos já conhecidos na Alemanha e Polónia e Svalbard, mas a espécie da Gronelândia representa a espécie mais a norte e a oeste da distribuição deste género.

 

Imprensa: