Componente de 2.º ciclo do Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica

Ensino

Componente de 2.º ciclo do Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica

Entrou em funcionamento no ano letivo de 2006/2007. O número mínimo de créditos para a obtenção do grau é de 120 (2 anos).

Objetivos

A Engenharia Biomédica é uma área polivalente que aplica os princípios, métodos e ferramentas das ciências, da tecnologia e da engenharia para analisar e resolver problemas em medicina e biologia, no sentido de desenvolver abordagens inovadoras para a instrumentação em prevenção, diagnóstico e tratamento da doença, fornecendo assim uma melhoria geral  nos cuidados de saúde e no próprio conhecimento do corpo humano.

Esta engenharia é inovadora e em grande crescimento, sendo apontada como uma das áreas científicas mais importantes neste século.

As áreas mais importantes da Engenharia Biomédica são: Biocompatibilidade, Biomateriais, Biomecânica, Biosensores, Biotecnologia (Engenharia Celular, Tecidular e Genética), Dispositivos prostéticos e orgãos artificiais, Efeitos biológicos dos campos electromagnéticos, Electrofisiologia, Engenharia clínica, Engenharia de reabilitação, Fenómenos de transporte, Imagem médica (inc. Medicina Nuclear e PET), Informática médica, Instrumentação biomédica (inc. Lasers em Medicina), Modelação fisiológica, simulação e controlo, Nanotecnologia, Processamento e Análise de sinais médicos e biológicos, Radiação Ionizante, Radioterapia e Protecção radiological.

Plano curricular (considerar só os 4.º e 5.º anos)

Saídas profissionais

Os pedidos de Engenheiros com o perfil do Engenheiro Biomédico, com conhecimentos em biologia e medicina, estão a crescer rapidamente. Como exemplos de saídas profissionais apontam-se:

  • Empresas de equipamento e instrumentação médica.

  • Empresas de material farmacêutico.

  • Hospitais, nas áreas de física hospitalar, engenharia clínica e manutenção de equipamento.

  • Laboratórios de investigação e desenvolvimento de grandes empresas.

  • Indústria farmacêutica e de análises.

  • Laboratórios de Faculdades de Medicina, universidades e organismos estatais.

  • Empresas de biomateriais.

  • Empresas ligadas à área da saúde.

Propinas:

Estudantes nacionais: 1063,47 €/anual

Estudantes internacionais: 7000 €/anual (Redução de 60% para estudantes da CPLP)

Prazo de candidatura:

1ª fase: 6 de março a 23 de junho
2ª fase: 26 a 31 de agosto
3ª fase: 10 de janeiro a 10 de fevereiro de 2018

Candidaturas

Condições de acesso para o ano letivo de 2017/2018

Vagas para 2017/2018 :

10

Regras de acesso:

  1. Titulares do grau de licenciado ou equivalente legal em Ciências de Engenharia Biomédica ou afim.
  2. Titulares de um grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1º ciclo de estudos organizado de acordo com os princípios do Processo de Bolonha por um Estado aderente a este Processo;
  3. Titulares de um grau académico superior estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objectivos do grau de licenciado pelo Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia;
  4. Detentores de um currículo escolar, científico ou profissional, que seja reconhecido como atestando capacidade para realização deste ciclo de estudos pelo Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia.
  5. A admissibilidade dos candidatos nas condições do nº 2 deste artigo será avaliada pela Comissão Científica do Departamento de Física, tendo em conta o plano de estudos realizado previamente pelo aluno.

Critérios de seriação:

  1. Classificação do curso;
  2. Currículo académico e científico;
  3. Currículo profissional;
  4. Eventual entrevista.

Coordenadora do curso:

Professora Carla Quintão

mieb.coordenador@fct.unl.pt

Sobre o Departamento de Física

O Departamento de Física (DF) é uma unidade de ensino graduado e pós-graduado (1º, 2º e 3º ciclos do ensino superior) e de investigação fundamental e aplicada nos domínios da Física, da Engenharia Física e da Engenharia Biomédica, estando ainda vocacionada para o desenvolvimento científico e tecnológico, a prestação de serviços e a divulgação científica. Para além de ser responsável pelos Mestrados Integrados em Engenharia Física e Engenharia Biomédica, bem como pelos Programas Doutorais nas mesmas áreas, em Física e pelos Programas Doutorais “NOVA Instrumentation for Health - NOVA I4H” e “Radiation Biology and Biophysics - RaBBiT", o DF assegura o ensino das unidades curriculares de Física básica a todos os cursos da FCT NOVA.

Com origem num pequeno núcleo existente desde o nascimento da FCT NOVA, gerido pelo Prof. Manuel Laranjeira (então Reitor da UNL), o Departamento de Física foi reconhecido formalmente em 1986, tendo mantido desde então um corpo docente de cerca de 30 pessoas. As suas actividades em Física e Engenharia Física foram alargadas em 2000 para incluir a Engenharia Biomédica.

A actividade científica do DF desenvolve-se essencialmente em duas Unidades de Investigação, o LIBPhys-UNL e o CEFITEC. A investigação abrange diversas áreas, tais como nanofísica e energia, física atómica e molecular, física nuclear e dos plasmas, física das interfaces, lasers e optoelectrónica, detectores, criogenia, técnicas analíticas aplicadas à saúde e património cultural, instrumentação médica e imagem médica.

Saber mais