Componente de 2.º ciclo do Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente

Ensino

Componente de 2.º ciclo do Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente

Entrou em funcionamento no ano letivo de 2006/2007. O número mínimo de créditos para a obtenção do grau é de 120 (2 anos).

Objetivos

A Engenharia do Ambiente estuda os problemas ambientais de forma integrada nas suas dimensões ecológica, social, económica e tecnológica, com vista a promover um desenvolvimento sustentado e equilibrado. O Mestrado em Engenharia do Ambiente da FCT NOVA visa a formação de engenheiros capazes de conceber, planear, projectar, gerir e executar soluções, tendo o Ambiente como objecto de trabalho.

O curso de Mestrado surge na sequência da adequação aos requisitos do Processo de Bolonha da Licenciatura em Engenharia do Ambiente, criada em 1978. Este curso é um dos mais antigos e prestigiados neste domínio, a nível nacional e internacional, encontrando-se acreditado pela Ordem dos Engenheiros desde 1999.

O MIEA da FCT NOVA é oferecido em duas áreas de especialização, designadamente:

  • Engenharia Sanitária, com ênfase na gestão e tratamento de águas, efluentes e resíduos, bem como na hidráulica sanitária e gestão de recursos hídricos;

  • Engenharia de Sistemas Ambientais, dirigido para a gestão e economia do ambiente, auditorias ambientais, sistemas de informação e modelação ambiental.

A organização curricular do Mestrado assenta em unidades de crédito (ECTS) e confere aos alunos a possibilidade de participarem em Programas de Mobilidade no seio da União Europeia.

O Mestrado em Engenharia do Ambiente é organizado como um ciclo de estudos integrado com a duração de 5 anos, correspondendo a um esforço global de 300 ECTS. Ao fim de um 1º ciclo, correspondente a 180 ECTS, é atribuído um diploma de Licenciatura em Ciências de Engenharia do Ambiente, correspondendo o grau de Mestre em Engenharia do Ambiente à conclusão do ciclo de estudos integrado.

Plano curricular (Perfil de Engenharia de Sistemas Ambientais)

Plano curricular (Perfil de Engenharia Sanitária)

Saídas profissionais

  • Administração

  • Comissão Europeia

  • Agência Europeia do Ambiente

  • Ministério do Ambiente do Ordenamento do Território de do Desenvolvimento Regional

  • Ministério da Economia

  • Ministério das Obras Públicas

  • Câmaras Municipais

  • Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional

  • Empresas de Consultoria, Projecto e Auditoria

  • Indústria

  • Empresas de Serviços

  • Ensino e Investigação

Horário de funcionamento:

Diurno

Propinas:

Estudantes nacionais: 1063,47 €/anual

Estudantes internacionais: 7000 €/anual (Redução de 60% para estudantes da CPLP)

Candidaturas:

1ª Fase: 23 de Abril a 16 de Julho de 2018

2ª Fase: 27 a 31 de Agosto 2018

Candidaturas

Condições de acesso para o ano letivo de 2018/2019

Vagas para 2018/2019 :

10

Regras de acesso:

  1. Titulares do grau de licenciado ou equivalente legal em licenciaturas das áreas de Engenharia do Ambiente, Ciências de Engenharia de Ambiente e afins;;
  2. Titulares de um grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1.º ciclo de estudos organizado, naquelas áreas, de acordo com os princípios do Processo de Bolonha por um Estado aderente a este Processo;

  3. Titulares de um grau académico superior estrangeiro, naquelas áreas, que seja reconhecido como satisfazendo os objectivos do grau de licenciado pelo Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia;

  4. Detentores de um currículo escolar, científico ou profissional, que seja reconhecido como atestando capacidade para realização deste ciclo de estudos pelo Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia.

Critérios de seriação:

  1. Classificação do curso;
  2. Currículo académico e científico;
  3. Currículo profissional;
  4. Eventual entrevista.

Coordenador do curso:

Professor Pedro Coelho

miea.coordenador@fct.unl.pt

Sobre o Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente

O Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente (DCEA) da FCT NOVA, criado em 1976, foi pioneiro no ensino da Engenharia do Ambiente integrando competências fundamentais de diversas engenharias, como a matemática, a física e a química, com áreas científicas, como a ecologia e a economia do ambiente, e novas tecnologias ambientais e digitais, assumindo a interdisciplinaridade como a sua principal marca.

Com um corpo docente de 36 professores doutorados, 70 investigadores, 10 técnicos e 4 colaboradores administrativos, o DCEA acolhe dois centros de investigação (CENSE e MARE) como pilares do ensino e do conhecimento que promove, trabalhando diariamente para concretizar a sua missão: Recentrar a Engenharia do Ambiente no Século XXI, como competência central no mercado de trabalho; motor de investigação, desenvolvimento e inovação; promotora de mudanças societais.

Dotado de laboratórios de ensino e investigação, suportado por projetos de investigação nacionais e internacionais, com a indústria e organismos de política pública, o DCEA assegura a formação de Engenheiros do Ambiente de elevada qualidade científica e técnica, preparados para o mercado nacional e internacional, numa vasta gama de funções e responsabilidades, incluindo a promoção do próprio emprego a partir de programas de inovação que gere como o Climate-KIC.

Saber mais