Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente

Ensino

Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente

Entrou em funcionamento no ano lectivo de 2006/2007. O número mínimo de créditos para a obtenção do grau é de 300 (5 anos).

Curso reconhecido pela Ordem dos Engenheiros e pela FEANI (Federação Europeia de Associações Nacionais de Engenharia) para atribuição do título EUR ING (Engenheiro Europeu)

Objetivos

A Engenharia do Ambiente estuda os problemas ambientais de forma integrada nas suas dimensões ecológica, social, económica e tecnológica, com vista a promover um desenvolvimento sustentado e equilibrado. O Mestrado integrado em Engenharia do Ambiente da FCT NOVA visa a formação de engenheiros capazes de conceber, planear, projectar, gerir e executar soluções, tendo o Ambiente como objecto de trabalho.

O curso de Mestrado surge na sequência da adequação aos requisitos do Processo de Bolonha da Licenciatura em Engenharia do Ambiente, criada em 1978. Este curso é um dos mais antigos e prestigiados neste domínio, a nível nacional e internacional, encontrando-se acreditado pela Ordem dos Engenheiros desde 1999, e pela Eur-ACE (European Acredditation of Engeneering Programes) desde Maio de 2017.

O MIEA da FCT NOVA é oferecido em duas áreas de especialização, designadamente:

  • Engenharia Sanitária, com ênfase na gestão e tratamento de águas, efluentes e resíduos, bem como na hidráulica sanitária e gestão de recursos hídricos;

    Engenharia de Sistemas Ambientais, dirigido para a gestão e economia do ambiente, auditorias ambientais, sistemas de informação e modelação ambiental

A organização curricular do Mestrado assenta em unidades de crédito (ECTS) e confere aos alunos a possibilidade de participarem em Programas de Mobilidade no seio da União Europeia.

O Mestrado em Engenharia do Ambiente é organizado como um ciclo de estudos integrado com a duração de 5 anos, correspondendo a um esforço global de 300 ECTS. Ao fim de um 1º ciclo, correspondente a 180 ECTS, é atribuído um diploma de Licenciatura em Ciências de Engenharia do Ambiente, correspondendo o grau de Mestre em Engenharia do Ambiente à conclusão do ciclo de estudos integrado.

Plano curricular (Perfil de Engenharia de Sistemas Ambientais )

Plano curricular (Perfil de Engenharia Sanitária)

Saídas profissionais

  • Empresas de Consultoria, Projeto e Auditoria nacionais e internacionais
  • Indústria nacional e internacional
  • Empresas de Serviços
  • Ensino e Investigação
  • Administração pública nacional
  • Câmaras Municipais e Empresas Municipais
  • Comissão Europeia
  • Agência Europeia do Ambiente
  • Organizações europeias

Candidaturas

Condições de acesso para o ano letivo de 2018/2019

Vagas para 2018/2019 :

55

Provas específicas:

Um dos seguintes conjuntos: 

02 Biologia e Geologia +  19 Matemática A ou

07 Física e Química + 19 Matemática A

Classificação mínima na(s) prova(s) específica(s): 95

Classificação mínima na candidatura: 95

Fórmula de ingresso:

60% da classificação final do Secundário
40% da classificação final na(s) prova(s) específica(s)

Coordenador do curso:

Professor Pedro Santos Coelho

miea.coordenador@fct.unl.pt

Registo e Acreditação

DGES

Registo n.º R/A-EF 3118/2011/AL01 em 19/01/2016

A3ES

Acreditação em 23/12/2014, por 6 anos

Vídeo de apresentação

Sobre o Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente

O Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente (DCEA) da FCT NOVA, criado em 1976, foi pioneiro no ensino da Engenharia do Ambiente integrando competências fundamentais de diversas engenharias, como a matemática, a física e a química, com áreas científicas, como a ecologia e a economia do ambiente, e novas tecnologias ambientais e digitais, assumindo a interdisciplinaridade como a sua principal marca.

Com um corpo docente de 36 professores doutorados, 70 investigadores, 10 técnicos e 4 colaboradores administrativos, o DCEA acolhe dois centros de investigação (CENSE e MARE) como pilares do ensino e do conhecimento que promove, trabalhando diariamente para concretizar a sua missão: Recentrar a Engenharia do Ambiente no Século XXI, como competência central no mercado de trabalho; motor de investigação, desenvolvimento e inovação; promotora de mudanças societais.

Dotado de laboratórios de ensino e investigação, suportado por projetos de investigação nacionais e internacionais, com a indústria e organismos de política pública, o DCEA assegura a formação de Engenheiros do Ambiente de elevada qualidade científica e técnica, preparados para o mercado nacional e internacional, numa vasta gama de funções e responsabilidades, incluindo a promoção do próprio emprego a partir de programas de inovação que gere como o Climate-KIC.

Saber mais